sábado, 27 de junho de 2009

Buenos Aires

1º dia – 23/05/09
Nosso vôo estava programado para sair do Galeão as 6h, então, chegamos ao aeroporto as 4h. Nessa hora já tinha fila no check in. Fizemos uma conexão em Guarulhos e chegamos a Buenos Aires por volta de 11:30. Como havíamos combinado com a agência do apartamento de fazer o check in apenas as 14h ficamos enrolando no aeroporto e acabamos lanchando por lá mesmo, no Café Madeleine (AR$59). Umas 13h pegamos o transfer que estava reservado e fomos para o apartamento.
Quando chegamos, o agente da 4rent já estava nos esperando. Ele mostrou o apartamento e deu uma lista de tudo o que havia lá dentro. O apartamento era bem bonitinho e grande também. Tinha sala, cozinha americana e banheiro embaixo, e em cima tinha um mezanino onde ficava a cama.
Depois da apresentação fomos dar uma volta por perto do apartamento, que era muito bem localizado, ficava na Santa Fé, esquina com a Riobamba. Comemos um sorvete na Chungo, de doce de leite e framboesa (AR$13). Também é interessante comprar um cartão telefônico para chamadas internacionais (AR$10) que vendem no jornaleiro, que dura cerca de 30 min para o Brasil.

Voltamos para o apartamento e já era hora de sair pra jantar. Foi aí que surgiu o problema do apartamento. Encontrei uma baratinha subindo pela parede atrás da minha mala e depois disso fomos encontrando baratinhas por todos os lados do apartamento. Parece mentira, mas acho que durante os 5 dias lá devo ter matado umas 50 baratas. A solução foi ir ao mercado comprar inseticida, espalhar por todos os cantos e colocar as malas encima da mesa e mante-las trancadas.
Após o estresse com as cucarachas, pegamos um taxi (AR$17) e fomos ao restaurante Acabar, mas como estava lotado e tinha uma fila de espera muito grande, fomos ao Punta Brasa que ficava ao lado. Pedi um Bife de Lomo e um suco de laranja e o William pediu um Asado de Tira e vinho. Também pedimos uma batata assada para dividir. A entrada era uma empanada, a melhor que comi durante toda a viagem, e uma cesta de pães. O jantar saiu AR$130 já com os 10% de propina (gorjeta). Alias, falando em gorjeta, todos os preços que dou já estão incluindo a gorjeta. Andamos até a Plaza Serrano onde fica a badalação da noite e pegamos um taxi de volta pro apartamento AR$12.

2º dia – 24/05/09

Acordamos e fomos tomar café perto do apartamento, entramos na Pizzaria Babieca e pagamos AR$22 por um café da manhã que normalmente é pra uma pessoa, mas da pra dividir. O café da manhã simples, normalmente, vem com um café com leite e um suco de laranja e medialunas. Esse foi o mais fraquinho de todos os dias, mas foi o suficiente.
Depois do café pegamos o metrô linha D (AR$1,10 por pessoa) em direção a Palermo, com o objetivo de visitar o Jardim Botânico, o Jardim Zoológico, o Rosedal e o Jardim Japonêis.
O Jardim Botânico é bem fraquinho, está em obras e é bem pequeno. A entrada é gratuita.

O Jardim Zoológico é ótimo, passamos quase todo o dia lá (AR$19,90 por pessoa). Logo na entrada você pode comprar um pacotinho com comida pra dar pros animais (AR$5). Animais como cutias e patos ficam soltos pelo zoo. Pode-se dar comida pras llamas, pros veadinhos, etc. Voltamos a ser criança.Saindo do Zoo fomos ao Jardim Japonêis (AR$16 por pessoa). Não achamos nada demais no lugar, mas as fotos ficam bonitas.

Caminhamos até o Rosedal, que realmente é muito bonito, com diferentes tipos de rosas, por todos os lados. A entrada é gratuita.
Após passear no Rosedal pegamos um taxi (AR$8) até o Malba, mas resolvemos não entrar. Tínhamos andado muito naquele dia e estávamos com fome e cansados. Andamos então até o Shopping Palermo que fica logo ao lado e almoçamos por lá mesmo. Não recomendo que almoce no shopping porque a comida não é lá essas coisas e o preço não foi barato (AR$57,50). O taxi até o apartamento saiu AR$13.
A noite resolvemos assistir um show de tango, e o lugar escolhido foi o Café Tortoni. O taxi até lá custou AR$12. O Café tem o estilo da Confeitaria Colombo, no centro do Rio, muito bonito. Comemos uma tábua de queijos, o William pediu vinho e eu chocolate cremoso (muito bom pra quem gosta de chocolate meio amargo). O jantar saiu por AR$71. O show de tango (AR$60 por pessoa) é em um salão separado, bem pequeno, mas muito aconchegante. Gostei muito mais deste show do que quando fui ao El Querandí em outra viagem. O taxi de volta ao apartamento custou AR$12.

3º dia – 25/05/09

Separamos este dia para fazer o passeio do Trem de La Costa porque era feriado nacional e tudo estava fechado.

Tomamos café no Buenos Aires Grill (AR$25), onde o garçom era muito simpático e nos indicou qual o ônibus que deveríamos pegar para ir até a estação de trens do Retiro. Pegamos o ônibus 152 (AR$1,10 por pessoa). Engraçado que quando você entra no ônibus você tem que dizer ao motorista pra onde você vai, aí ele libera um valor numa maquininha pra você colocar as moedas (só aceita moedas). Saltamos na estação do retiro e pegamos um trem comum (AR$1,10 por pessoa) em direção a Mitre e na estação final caminhamos até a estação de Maipu onde pegamos o Trem de La Costa (AR$24 ida e volta por pessoa) até Tigre.

Uma das opções em Tigre era fazer o passeio de barco. Outra é ir ao Parque de La Costa (AR$30 por pessoa com direito a todos as atrações) e foi a que escolhemos. Bom, não foi uma boa idéia. O parque estava lotado por causa do feriado, e a média de espera para cada brinquedo era de 3hs. Resolvemos então, já que estávamos lá dentro, andar pelo parque e ir nos brinquedos mais bobinhos, passear mesmo.
Saímos do parque umas 17h, pegamos o Trem de La Costa voltando e descemos em San Isidro. Fomos até a Catedral e depois almoçamos no shopping que tem logo na descida da estação. Comemos um chivito no Café Coffe Store (AR$43,80).

Novamente pegamos o Trem de La Costa e antes de chegar a Maipu descemos numa estação que fazia conexão com a linha D do metrô, melhor caminho pra gente. Pegamos o metrô (AR$1,10 por pessoa) e voltamos pro apartamento.
À noite pegamos um taxi (AR$11) para ir jantar em Puerto Madero. Andamos por todos os restaurantes e escolhemos o El Mirador. Pedimos um Ojo de Bife e uma Salada Ceasar para dividir. O William pediu vinho e eu, pra variar, suco. A entrada foi uma cesta de pães com uma pastinha que adoramos, mas até agora não sabemos do que era feita (AR$166). Voltamos ao apartamento de taxi (AR$12).
4º dia – 26/05/09

Reservamos este dia para ir ao estádio do Boca e Caminito e passear na Florida.
Tomamos café da manhã no Pertutti, o melhor café que tomamos (AR$32). Pedimos um café pra dividir, que vinha um café com leite, uma taça de suco de laranja, dois mistos, torradas, geléia e um pedação de torta a escolha.

Depois do café pegamos um taxi (AR$24) e fomos para La Boca, até o estádio La Bombonera. Entramos no estádio para fazer o tour e visitar o museu (AR$30 por pessoa). O estádio é muito pequeno e a disposição das arquibancadas é bem interessante, quase vertical. Entramos nos vestiários e passeamos pelas arquibancadas. Saímos do estádio e fomos em direção ao Caminito, cerca de 4 quadras. No caminho têm várias lojas de souveniers e camisas de times. Entramos em várias, até acharmos uma camisa do Boca verdadeira e num preço bom (AR$150), pois no estádio do Boca estava quase AR$300.
Passeamos pelo Caminito, um lugar que, realmente, você só precisa ir uma única vez. Lá não tem nada além de pessoas na rua te chamando insistentemente para almoçar nos diversos restaurantes espalhados. De qualquer forma escolhemos o La Rueda para comer, onde tinha música ao vivo e dois casais fazendo um pequeno show de tango na frente. Comemos bem, mas o almoço saiu AR$98 e teve que ser pago em dinheiro. Além disso tivemos que dar um dinheiro pro casal de tango (AR$10).
Após o almoço pegamos um taxi (AR$15) até a Plaza de Mayo, onde tiramos foto na frente da Casa Rosada e da Catedral. Caminhamos até a Calle Florida e fizemos algumas pequenas compras, pois nada chamou tanta atenção. A única coisa que valeu a pena lá foi a jaqueta de couro do William que saiu uns AR$600 e era uma das mais caras. As lojas da Florida fecham as 19hs. Andamos um pouco pela Galerias Pacífico e pegamos um taxi de volta pro apartamento. (AR$10). A noite pegamos um taxi (AR$8) e fomos jantar no restaurante Sottovoce. Foi a melhor massa que comemos na argentina, valeu muito a pena. Pedimos um Sorrentino de queijo e um tipo de rondele gigantes com carne de carneiro. Sem falar na cesta de pães que era maravilhosa e que não deu tempo de aproveitar muito porque a comida chegou muito rápido. Pedimos um vinho branco doce (sei que não combina, mas é o único que tomo). A conta deu AR$163. A volta de taxi saiu AR$8.
5º dia – 27/05/09

O último dia na cidade foi o dia de passear pela Córdoba, a rua dos outlets.
Tomamos café na Delicity, eu pedi uma empanada e um suco e o William o meno de 2 medialunas e café com leite (AR$30). Sem contar a empanadinha que veio na entrada do restaurante Punta Brasas, essa foi a melhor empanada da viagem.
Pegamos um taxi até o buquebus (AR$12) porque não tínhamos recebido o voucher do dia seguinte. O serviço do buquebus é bem eficiente, chegamos lá, demos os nomes e em menos de 5 min já estávamos com os vouchers na mão.
De lá, pegamos outro taxi até a Córdoba com a Scalabrine Ortiz, onde começam os outlets. Andamos muito, na Córdoba achamos a outlet da Nike, Fila e umas marcas nacionais e nas ruas próximas achamos a Levi’s, Lacoste e mais marcas nacionais. Vale a pena comprar roupa em Buenos Aires, no final saiu mais barato que no Uruguai.
Lanchamos num pé sujo lá por perto mesmo (AR$18) e pegamos um taxi até o Shopping Abasto (AR$12) porque falaram que havia em frente ao shopping uma loja enorme da Adidas, e realmente tinha, mas os preços estavam normais para os preços de lá. Tomamos sorvete no Freddo (AS$8 cada) e voltamos para o apartamento (AR$10). Devido ao cansaço fomos almoçar no Buenos Aires Grill, o mesmo que tomamos café num dos dias. O William pediu um brochette (espetinho) de cerdo e vinho e eu uma salada ceasar e suco (AR$125).
6º dia – 28/05/09

Acordamos cedo por causa do check out do apartamento, que marcamos às 9hs, e fomos tomar café no Pertutti novamente (AR$32).
Fizemos o check out (reclamei muito das baratas) e pegamos um taxi até o buquebus (AR$20).
É bom saber que na Argentina eles têm o tax free, onde algumas lojas aderem e é apenas para produtos nacionais. Você compra um produto nestas lojas e eles te dão um formulário para preencher que te dá direito no dia em que você sair do país a ter o imposto reembolsado. Para isso você tem que levar a nota fiscal junto com esse formulário até o posto do tax free que tem tanto no aeroporto quanto no terminal do buquebus.
Justamente neste dia que escolhemos para ir a Colônia, o Estudiantes foi jogar em Montevideo e a torcida estava em peso no terminal para ir para Colônia e pegar um ônibus até Montevideo. Ainda bem que compramos as passagens com antecedência (AR$271 duas passagens da classe turística -
http://www.buquebus.com.ar) porque estava lotado.
O buque rápido demora 1h pra chegar a Colônia. O barco é muito melhor do que qualquer 1ª classe de qualquer avião, tem até free shop. Continua...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário